sábado

Carta a Dentista

Recentemente resolvi fazer uma carta para a dentista desta situação AQUI.


"Prezada Sra. Dentista, 

Escrevo referente a um atendimento que você prestou a minha pessoa no dia ______ de__________ de 2011. Não cabe a mim julgar sua competência técnica no âmbito da odontologia, entretanto me sinto na obrigação de escrever essa carta visando atentar para o tamanho sofrimento que vivenciei ao entrar no seu consultório.
Na época em que fiz a escolha pelo seu consultório fui unicamente por indicação do livro do meu Plano Odontológico. Como fui ingênuo! Lamentavelmente me deparei com grande discriminação e preconceito de sua parte.
Para começar preenchi uma ficha de cadastro de pacientes que fazia um breve, e realmente muito breve levantamento acerca da minha condição de saúde. Dentre as poucas perguntas que apresentava continha uma: Você tem HIV? Como se esse fosse o único problema que pudesse acometer uma pessoa. Achei muito estranho.
Mas fui sincero ao responder que sim no momento de preencher a ficha, na expectativa de buscar contribuir para um atendimento que pudesse promover minha saúde bucal. Como resultado, fui vítima de uma das piores e mais intensas formas de violência do ser humano: o preconceito.
Demorei para me recompor após aquela consulta. Nunca na minha vida jogaram água sanitária com sabão após eu cuspir no aparato apropriado para essa função.  O pior foi ouvir sua instrução para sua auxiliar:
- Põe cloro e sabão na água.
O segundo momento ainda foi pior... após utilizar um aparelho com espelho para analisar meu dente solicitou a auxiliar para levar imediatamente para esterilização.   Me senti muito mal por estar ali e saí de lá entre lágrimas e demorei muito para me recompor. Este assunto foi recorrente na minha terapia.
Escrevo com a intenção de abrir seus olhos para essa questão e especialmente buscar colaborar para que você quebre esses seus preconceitos. A existência de comportamentos como o que você teve são pautados na ignorância que apenas ratificam sofrimento de pessoas que como eu lamentavelmente são obrigadas a conviver, não apenas com o vírus, que por si só já é um fardo tamanho, mas especialmente com pessoas que alimentam um vírus ainda mais mortal e que faz com que milhares de pessoas sofram caladas, se deprimam, tentem o suicídio, etc: o vírus do preconceito.
Todos sabemos da importância da esterilização dos objetos de trabalho do dentista. Mas isso deve ser feito sem deixar qualquer pessoa constrangida por qualquer motivo que seja.
Espero, com essa carta, colaborar para que você rompa com seus estigmas e busque fazer um atendimento mais igualitário, e que você esterilize sua alma, pois certamente ela pode provocar infecções que não estão ao alcance da medicina, nem da odontologia e nem de nenhuma ciência.
Meus sinceros votos de melhoras!
Atenciosamente,"

Contarei se houver resposta. 

7 comentários:

Prisioneiro 0001 disse...

Achei tua carta muito direta e educada.
Super fino no puxão de orelha.

Gato: será q não era válido tb reclamar no CRO?

Um grande abraço.

Mabe disse...

Muito válido. Dou meu apoio. E eu tb reclamaria no CRO!!!

Abraços.

Alguém Por Aí disse...

Menino, excelente sugestão a do CRO. Vou ver se é possível fazer por e-mail. Obrigado pela dica.

FOXX disse...

sim, tem que reclamar sim. se ela não responder de pronto, mande uma segunda carta afirmando q vc vai fazer uma reclamação formal no conselho.

O Rei do Drama disse...

essa carta tinha que ser enviada pro conselho de odontologia.

Cara Comum disse...

Bom, eu achei muito legal da sua parte escrever essa carta a ela e de um tom muito educado.

Tente primeiro enviando apenas a carta a ela. Caso ela não se mostre receptiva ou não responda à altura, utilizando todo o respeito possível, aí sim eu acho que vc deveria procurar o CRO.

Abração!

Gato Van de Kamp disse...

Caralho.. Roendo as unhas pra saber a resposta...