domingo

O real dia das mães


Tudo aconteceu de uma forma bem mais tranqüila do que eu imaginava. Eu não fiquei livre dos pensamentos automáticos que insistiam em me deixar pra baixo durante alguns momentos com minha mãe, mas eles apareceram poucas vezes. O fato é que ela ficou muito feliz com minha ida que ela não esperava. Também não fiquei livre de críticas de amigos por ter escolhido voltar mais cedo para casa. Dois chegaram a me crucificar, buscando fazer uma comparação com suas realidades. Busquei não expor os reais motivos do retorno no domingo de manhã. Aprendi com minha ex-psicóloga que algumas coisas não cabem ser explicadas e nem compartilhadas. Só entende quem vive e só devem ser entendidas por quem vive.  
Fiz por minha mãe um esforço grande de luta contra mim mesmo e faria tudo de novo. Gostei muito de ter ido e buscado trabalhar meus pensamentos. Em alguns momentos saí de casa, mas a maior parte do tempo fiquei com a mesma. Conversei com minha mãe sobre assuntos diversos como meu trabalho, minha vida cotidiana, escutei suas questões, adormeci no seu colo, comi a grande diversidade de agrados culinários que foram feitos pela mesma para esta ocasião, e tudo isso foi muito gostoso. Com o meu pai o tempo foi mais curto pois o mesmo acabava de chegar de uma viagem.
Também estive com minha irmã, cunhado e minhas lindas sobrinhas. Conversamos bastante, passeamos pela cidade em busca de doces típicos de minha terra natal, entre outros pequenos passeios.
Minha sobrinha mais nova me surpreendeu com um desenho que me foi dado. Foi o momento mais emocionante da viagem. Ela está com uma letra linda e me contou claramente a historinha do desenho, em que eu era um personagem central. Brinquei muito com ela e sua irmã. Quando me despedi para ir embora:
- Ahhhh tio, não vai não!
Conseguimos chegar num acordo que cabia a ela acordar mais cedo para tomar café comigo. Mas ela pontuou que talvez não conseguisse por se tratar de um domingo. Quantos anos ela tem? Apenas cinco, acredite!
Em um determinado momento, a sós com minha irmã, sinalizei que gostaria que ela passasse uma semana sozinha comigo em minha casa para termos oportunidade de conversar. Ela questionou a origem do pedido e eu desconversei.
Já havia emprestado dois livros a ela de pessoas que vivem com HIV. É possível que ela tenha percebido minha intenção, embora eu não possa ter certeza disso, uma vez que sempre trocamos livros.  
Posso dizer que esse fim de semana foi realmente muito gostoso com minha família e certamente outros virão. Acordamos que daqui a duas semanas elas me visitarão, juntamente com minhas sobrinhas. Foi um momento muito lindo!

7 comentários:

Ro Fers disse...

Espontaneamente eu me emocionei com esse post.
O bacana de tudo isso é que além de ti, sua familia ficou hiper feliz com sua visita...
Crianças de certa forma as vezes enche o saco, mas são surpreendentes.
Abraços

Alguém Por Aí disse...

Foi um momento mágico, Ro. Fiquei feliz!

FOXX disse...

que bom querido!
fico feliz em ver q seu domingo foi tranquilo e cheio de carinho.

Margot disse...

Que bom que seu dia foi tranquilo e vc pôde curtir o colo de mãe. Tudo tem o seu tempo, e logo chegará o tempo de vc contar com o apoio de sua família inteira.
abraços querido

Prisioneiro 0001 disse...

Que news boas.

=)

Cara Comum disse...

Bom saber que foi bem mais tranquilo pra vc do que vc imaginou...

Abraços!

Anônimo disse...

Resiliência, pensamentos automáticos. Seu psicólogo é analista do comportamento pelo jeito. É a minha área de atuação, espero que esteja se adaptando bem a psicoterapia. (Mandei e-mail pra ti hoje, só para saber quem sou nos comentários. )
Abraço
Fernanda