sexta-feira

Coquetel


Hoje é meu primeiro dia de medicação e começarei exatamente às 23 horas. Optei por um esquema de 4 comprimidos uma vez ao dia (a outra opção eram 3 comprimidos por dia – mas em dois horários). Minha consulta hoje foi com um terceiro médico, em outra instituição.
Não abandonei Dra. Leblon, mas me senti mais seguro com esse terceiro médico (que é de um local de pesquisa referência para HIV).  
Troquei o particular pelo SUS, mas obviamente continuarei pagando religiosamente meu plano de saúde justamente por conhecer bem nosso serviço público de saúde.  Ainda não sei se volto a Dra. Leblon para explicá-la. Gosto dela, e sei do conforto que ela me deu (fornecendo até o telefone de casa). O problema que o médico atual foi bem mais convincente e mudou o esquema dela, explicando claramente o motivo.
 Sabe que gostei da sala de espera no SUS. Muitas pessoas, muitas histórias de vida, tudo bem diferente dos óculos escuros e discrição do particular (que eu sinceramente também gosto). Interessante que ficou claro que era minha primeira vez lá. As pessoas (pacientes e funcionários) foram bem acolhedores.
Uma jovem de 25 anos que convive com o vírus desde os 17  me contou que pegou do primeiro namorado e que recentemente transou sem camisinha com um homem casado. Ela fez isso num momento de embriaguez e estava muito arrependida, mas não iria contar, especialmente pelo medo da rejeição. Deu pra ver claramente que ela sofria muito com isso. Ela mantém contato com ele mas assegurou que as outras relações sexuais foram com camisinha. Falei pra ela mandar ele doar sangue para algum conhecido dela (que pode ser recém conhecido fácil de encontrar em qualquer hospital pois infelizmente há poucos doadores em nosso país), assim ele, necessariamente, faria o exame, e se fosse negativo ainda ia ajudar a salvar uma vida.
Essa passagem pelo SUS deu pra ver que realmente a maioria das pessoas descobre através de uma doença oportunista, e nesse sentido eu tive muita sorte.  Olha, até aproveitei pra admirar o cara gostoso na sala de espera. Aliás, com essa história de vida saudável eu vi tanto soropositivo gostoso. Hummmm
 Bem, hoje me sinto melhor. Não estou triste como ontem. Quero agradecer a Blogville por estar sempre tão presente aqui. Já me sinto parte de vocês. Num mundo com tanto preconceito é bom saber que tenho esse espaço em que eu posso assumir minha doença.
Lançada a guerra contra o HIV. Sr. Vírus, se prepare... tem um coquetel pra te embriagar e te impedir de destruir minhas células de defesa. Com esse humor descontraído me despeço, informando sobre o início do coquetel. Nos próximos posts falarei dos colaterais (espero que sejam poucos).   Beijos e Abraços (a escolher)!


11 comentários:

Edu disse...

Parabéns e boa sorte! Tudo vai dar certo.

FOXX disse...

é sempre bom ter ver feliz
boa sorte, meu qrido!

Lobo disse...

Olá alguém!

Caindo de para quedas aqui, por indicação do Gato e por um comentário que vi lá no Kabuki... Li o blog de cabo e rabo e, olha, achando incrível essa escrita tão a flor da pele sua.

Bom, não entendo nada dos coqueteis pra HIV, mas como regra geral de medicamento, acho que você sentiria menos os efeitos colaterais (se eles aparecerem) se tomasse doses menores em tempos mais espaçados...

Um beijo, e boa sorte com tudo ai!

Eros de Vênus disse...

Torcendo pra que tudo dê certo pra ti. Conte comigo... Respondi seu email ok. Abração

blog da Paraguassu disse...

Olá amigo,
Te desejo todo o sucesso nesta nova fase de sua vida, que é tentar recuperar sua saúde. O importante é estar com a cabeça sempre boa, para aceitar as medicações e pensar também, que tudo vai dar certo. Espero que isto seja um fato concreto em sua vida: voltar a ser feliz e saudável. Estou torcendo por você. Já estou seguindo seu blog.
Se quiser retribuir, conheça meu cantinho e, se gostar, siga-me e deixe um comentário para mim. Ficarei feliz em vê-lo por lá.
Um grande abraço e um ótimo final de semana.
Maria Paraguassu.

Anônimo disse...

Louco disse: Estou lendo as outras postagens e depois comentarei tudo, mas tive que me adiantar e comentar essa última que acabei de ver.
Achei engraçadíssima a história do SUS, deve ter sido uma experiência enriquecedora. Adoraria poder estar lá com você. Certamente daria muitas risadas com as histórias de todos, como você mesmo disse. Tenho o dom de achar graça em tudo, até na desgraça. Hehehe! Força nessa nova fase, pois há de ser mais fácil do que você imagina. Abração!

Anônimo disse...

Pablo disse:
A sua viagem rendeu. O fato de estar na Europa já foi um “plus” na sua história e para completar você se achou entre pessoas ricas e preconceituosas. Eu diria mais, ultraconservadoras. O conservadorismo pode ser encontrado em qualquer lugar do mundo, porém acredito que no velho continente ele é muito mais visível. Talvez a convivência com a sua amiga, mesmo tendo sido traumática, possa lhe trazer uma lição. A maioria das pessoas carrega um preconceito, nós só não sabemos, às vezes, onde ele está guardado.
O importante na verdade é manter-se fiel aos seus princípios, mesmo que eles sejam na linha: “I'm queer, I'm here, get used to it”. Sei que não é fácil, mas você foi uma das pessoas que, talvez inconscientemente, mas me instruíram a esse respeito.
O que foi “Just like a pill”? Sei que foi tudo muito triste, mas o texto está maravilhoso. Você está cada vez melhor nessa coisa de escrever. Espero que não desperdice esse dom, que está sento lapidado, em trabalhos científicos monótonos que se resumirão a algumas dúzias de leitores. O mundo precisa de emoção e beleza, ou seja, arte. Note que não estou sozinho nessa constatação, pois até o ministério está publicando os seus escritos.
Quanto às campanhas, tenho a dizer que o Brasil tem conseguido lidar com muitas esfinges sociais de forma satisfatória. Não é fácil lidar com a discriminação e o preconceito. Abordar temas como homossexualidade, aborto, racismo e HIV/AIDS sem agredir alguém é algo que ainda não aconteceu. Mas acredito que nos últimos anos passamos a caminhar a passos largos para esse resultado. O fato de Silvio Santos ter declarado em um de seus programas que a sexualidade das pessoas é o que menos importa na sua emissora, foi, para mim, mais uma vitória na luta contra o preconceito. O padrão de qualidade Globo, pautado no preconceito velado, já não tem a influência de antes.
Nossa, a carta foi forte. Mas às vezes a gente precisa de um ponto final. Ok, eu preciso mais do que as outras pessoas, mas você tem lidado melhor som ele. Chega de muitas reticências. Uma boa vida, assim como um bom texto, tem que ser bem pontuada.
Bom dia!

Alguém Por Aí disse...

Pablo, páre de me fazer chorar!! Não se faz isso com uma pessoa emocionalmente instavel pelo HIV. rsrsrsrs Muito obrigado por suas doces palavras. Você mais do que ninguém (ou seja eu mesmo, rs) sabe que sem você eu talvez nem estivesse mais aqui. Obrigado por ter me dado forças quando eu mais precisava, obrigado por ter sido paciente todas as horas em que te ligava desesperado, obrigado por me fazer ver vida na morte e até rir dela. Obrigado pelas inúmeras vezes que foi até a minha casa só pra me escutar e me dar conforto, obrigado por viajar quilômetros só pra dizer "to aqui". Estou muito emocionado e serei eternamente grato por tudo. Acima de tudo obrigado por existir na minha vida. As vezes a gente só preciso de uma palavra e de um ouvido. Você sabe bem medir isso. Um abração e um excelente dia!

Anônimo disse...

Pablo disse: Não é face, mas eu CURTI muito! Hehehe! Obrigado!

Mutante "h" disse...

Vc tem uma bela carta na manga...sabes seus pontos forte e apesar dos momentos nublados vc logo faz acontecer e traz um SOL a sua vida..é so acompanhar suas postagens q se percebe essa força q antes nem julgavamos ter.. cada um luta com as armas q tem.. vc com uma boa dose de humor ou em seus momentos mais inseguros tem emocionado, repercutido e sido admirado como o surpreendente: ALGUEM POR AI! essa fase da medicação e seus baratos vc vai tirar de letra..eu completei 3 anos com minhas vitaminas.. entre viagens noturnas e insonia vou levando da forma q posso, pois logo amanhece, o sol invade a janela aki do meu quarto e vejo q tem um belo dia pela frente..E eu? levanto ponho a minha capa de mutante e me ponho aos novos dilemas...

Cara Comum disse...

Eita!! Vc está até mais leve nesse post! Quase convidando a gente pra um brinde (cada um com sua opção de bebida, claro!). Me traz um suco de laranja... rs

Fiquei realmente feliz com esse seu relato aqui depois de ter sentido a sua dor em ter que começar a sua medicação. E a vida de todo mundo é assim: altos e baixos...

Muita sorte nessa sua nova fase!

Abração!!