quarta-feira

Carta ao Amigo


Sei que a sua intenção ao conversar comigo ontem foi a de me deixar pró-ativo em relação a minhas atividades cotidianas e entendo seu ponto de vista. Mas as coisas não são tão simples quanto parecem.
Antes me pegava pensando em qual seria minha reação diante de um resultado como esse. Sempre era algo no sentido de manter a vida, seguir em frente... hoje não tenho certeza de minha opção. Estou muito confuso e nos últimos dias tenho pensado na morte. Não em suicídio, mas na morte. Tenho me sentido mal cada vez que me olho no espelho. Muito mal a ponto de hoje sair do trabalho bem mais cedo por não consegui pensar em nada. Sabe aquela cara de parede?? Pois é. Eu tava assim. Você pode pensar: “enfrente melhor, trabalhe, esqueça isso, nem tudo é isso...” Como pensar no trabalho se às vezes nem tenho vontade de viver. Confesso que isso ocorre às vezes, em alguns momentos, e que isso muda em questão de minutos e pode voltar com a mesma intensidade.
Não tenho vivido minha vida com esse sofrimento acima descrito; mas em alguns momentos (como agora) ele vem e me domina. Perco o controle sobre ele. Lembro que uma sensação parecida foi o luto da perda de um ente querido, em que fiquei anos sem nenhuma amizade, chorava do nada, etc.  
Não tente imaginar como é. Sinceramente, espero que você nunca saiba. Nunca senti uma sensação tão estranha em toda minha vida. Muitos medos passam como filme na minha cabeça. As vezes vêm todos eles juntos, como se fosse uma explosão de sentimentos ruins.
Fiquei mais mal com suas palavras percebendo um certo “estrelismo” em meu sofrimento ou em minha forma de agir, como se eu estivesse numa situação confortável para sofrer. Talvez esse pensamento tenha se dado em função da leitura desse blog ou sei lá.
Te peço para não tentar me analisar. Não tente entender coisas que eu mesmo não sou capaz de entender. Deixe isso para minha analista. Parabéns para os que passam por isso sem sentir o que to sentindo.
Sei que você tem a intenção de me ajudar buscando colocar meu pé no chão. Muito ajuda respeitando meu momento. Amigo, por favor, não converse comigo sobre isso mais. Esqueça que eu falei isso pra você. Quero viver esse sofrimento apenas na internet. É a forma que encontrei para continuar. Vou pedir ajuda se precisar.  
Normalmente, como você sabe, iria me calar e ocultar meus sentimentos ou me afastar de você temporariamente, mas optei fazer dessa forma. Esse blog concentra minha carga negativa (opa, uma palavra boa para um exame) e quero que tudo isso fique aqui. Me escreva um e-mail se quiser ou preferir, mas não fale mais comigo sobre isso, pelo menos por enquanto. Não tenho força para discutir e nem quero.
Te amo muito, tá!?

Um abraço e um beijo,

5 comentários:

FOXX disse...

de fato vc precisa de amigos
espero, mesmo longe aqui, poder ser um amigo viu?
sempre q precisar.

Alguém Por Aí disse...

Olá Foxx, essa carta tem um endereço e se refere a um amigo que amo muito. Mas as vezes sinto uma necessidade de ficar sozinho, sofrer calado, sem opiniões de pessoas que me conhecem há anos. Como alguns amigos reais frequentam esse blog, um deles fez uma breve análise do que escrevo pontuando muitas questões. Resolvi publicar isso aqui pois esse é o espaço que utilizo para expressar minha relação com o HIV. Obviamente não sou só isso. No momento não sinto vontade de falar sobre HIV/AIDS com meus amigos reais. Nenhum deles, embora os ame muito. Desde já agradeço muito sua disponibilidade. Muito obrigado mesmo!

Gato Van de Kamp disse...

Tem cada amigo que puta que o pariu... Foda isso...

Conta com o gatinho, Alice....


Alice questiona "O senhor poderia me dizer, por favor, qual o caminho que devo tomar para sair daqui?"

"Isso depende muito de para onde você quer ir", respondeu o Gato.

"Não me importo muito para onde...", retrucou Alice.

"Então não importa o caminho que você escolha", disse o Gato.

"...contanto que dê em algum lugar", Alice completou.

"Oh, você pode ter certeza que em algum lugar você sempre vai chegar", disse o Gato

Alguém Por Aí disse...

Obrigado pelo comentário Gato! Alice, seja feliz e deixe os "Detalhes" com Roberto Carlos.

Cara Comum disse...

Tem amigo que não sabe que cuidar também pode significar deixar a pessoa fazer por si, no próprio tempo... Mas um dia a gente aprende...

Abraços!!