quinta-feira

Re-lações

Interessante como o tempo passa. Mais interessante ainda é como a gente passa o tempo. Nesse processo de aceitação (ou seria imposição?) de doença crônica em minha vida muita coisa tem mudado. Interessante esse olhar sob novas perspectivas. De uma certa forma é olhar a vida através da morte. Não. Não estou sendo pessimista.
Hoje mais uma vez o HIV/AIDS foi tema central no meu trabalho. To tirando de letra. Acho que vou acabar trabalhando nessa área um dia. Mas voltando... (fuga do tema é zero na redação).
Tenho me aproximado mais de minhas sobrinhas e isso tem sido lindo. Percebi já fazia tempo que não passava um momento com  elas; não falo de corpo, mas de presença mesmo. Lembro sempre do beijo técnico e um “como vai a escola?” tão técnico quanto, mesmo (ou pior) sendo semanal.  A mais velha comemorou seu aniversário na escola e insistiu muito para que eu fosse.  Adiei minha viagem por algumas horas e foi perfeito olhar a cara dela de satisfação. Me vi um tio presente. Coisa simples e que não tem preço (para todas as outras existe mastercard. Sei que é piada sem graça, mas foi mais forte que eu). Tocou Lady Gaga na festa... percebi o quanto estou velho.
O bichinho que me come todo dia (sem duplo sentido por favor; humm, duplo sentido até que não é má idéia) tem me causado coisas boas também. Sempre o culpei tanto. Acho que é hora  de dar a César o que é de César. Essa história de comer, dar... melhor eu mudar essa prosa. Isso pode não acabar bem, se acabar bem...  camisinha! RS
O fato é que tenho valorizado mais pessoas que amo. Recentemente um amigo fez uma série de críticas ao meu jeito de ser e de me relacionar com as pessoas, me acusando de egocêntrico. Me senti mal com suas palavras, mas percebi que ele estava parcialmente certo. Digo parcialmente pois sei que em muitos momentos não dou  atenção merecida a algumas pessoas.... mais por descuido do que por egocentrismo. Por outro lado percebo que me dedico demais as pessoas com a qual me relaciono no trabalho e  me preocupo muito com os sentimentos dessas pessoas. Tenho medo demais de ferir as pessoas que amo. Percebo que tenho feito isso com algumas, mas não é intencionalmente. Me arrependo muito de ter falado para uma pessoa do HIV. Sinto que ela não consegue lidar bem com isso e fico triste quando percebo que a deixei mal desnecessariamente.
Vou seguir cultivando meus amigos, minha família, minhas relações, e meus amores (não sei o porquê do plural, não existe nem o singular ainda, RS). Amigos, me perdoem pelos erros e obrigado por vocês existirem.

7 comentários:

Helena disse...

Você está tendo oportunidade de ressignificar a vida. Aproveite e se reinvente.

As críticas do amigo têm fundamento.. será que sua falta de atenção não é totalmente seletiva?

Pronto, terapia em grupo! rsrsrs.

Só sei que vc deve me curtir mais! uhuhuhaahuahua

Ninguém por aí disse...

Quero te curtir sempre Helena!!

Eros de Vênus disse...

Isso sempre acontece com grandes impáctos em nossas vidas, principalmente os negativos. Mas é preciso tirar sempre o melhor de tudo nessa vida. Sabe aquele presente que você espera ganhar? Então você ganha uma embrulho lindo e, enquanto abre, aquela emoção aflora, pois tem certeza de que é o que você tanto esperava...e quando finalmente vê o que tem dentro, fica sem reação de tamanho desapontamento...mas agradece com aquele sorriso sem graça e a vida segue...Muitas vezes nós lemos o mundo errado e dizemos que ele nos decepciona. Isso serve pra mim, pra você e para aquela minha amiga...cada um com suas limitações e equívocos... Mas precisamos, a todo custo, encontrar uma forma de conviver com toda essa realidade. Se vivermos só reparando os defeitos dos outros nunca iremos participar da vida, pois vamos nos contentar com as nossas desculpas.
Abração garoto!

Anônimo disse...

Demorei a conhecer seu blog. Mas hoje o conheci e li todos os posts (sem exceção). Muitas coisas não eram novidade para mim porque acompanho todos estes eventos desde o princípio. Você sabe que eu não encaro as coisas da mesma forma. Sei que eu tenho um jeito meio estúpido de ser. Não tenho paciência para exageros, sobretudo emocionais e emito comentários secos que podem soar como insensibilidade. Se você me permite uma defesa em causa própria, nada mais equivocado. Senti em outras ocasiões e ainda sinto (talvez erradamente) que melhor que tentar consolá-lo era tentar forçá-lo a encarar a realidade por mais difícil que ela seja. Sei que não é fácil mas não vou passar a mão na sua cabeça, não espere isso de mim. Não consigo achar que desta forma estarei ajudando. Mas apesar de você ter medo da severidade das minhas opiniões, não tenha nunca medo de que eu não esteja presente quando você precisar. A minha aspereza é só aparente. Sou fiel como um cão. Agora estarei sempre por aqui, emitindo comentários com a severidade que eles merecerem como é meu estilo. O importante é que eles são verdadeiros, sempre.

Anônimo disse...

MUTANTE diz:

De fato dentre tantos dilemas q o HIV nos impõe, o maior deles é enxergarmos e darmos mais valor a gestos e pessoas q estavam sempre a nossa volta e por razões indivualistas, não as observavamos.
Eu, passei a valorizar mais as amizades verdadeiras q tenho, o estar mais proximos dos meus pais e a curtir momentos mais simples e q tanto me fortalece.
2 gdes amigos sabem de minha mutação. E percebo q existem amigos ou pessoas q ate nos ama, mas q nao saberiam de fato LIDAR com isso. Não significa q nao existe zelo e carinho, trata-se mais de uma questão de medo pela quebra de IMORTALIDADE que TODOS julgam ter.
Tenho gdes amigos q nao saberiam conviver com minha nova condição.. pq passariam a ver algo q so esta presente no meu sangue e sofreriam por isso. Acompanhando seus textos e torcendo sempre por nós!!! abçs

Anônimo disse...

Cris

Esse amigo que fez a crítica deve ser dotado de grande sabedoria, confie nele..

Ninguém por aí disse...

Olá gente, muito obrigado pelos comentários. Vou responder em partes.
Eros, acho que você foi muito feliz com sua colocação. O HIV tem me mostrado faces também boas do presente, e aproveitando pra brincar um pouco com as palavras... do passado e do futuro também. . RS Excelentes palavras: “Se vivermos só reparando os defeitos dos outros nunca iremos participar da vida, pois vamos nos contentar com as nossas desculpas.”
Anônimo, sei do seu jeito de ser e achei até que você pegou leve no seu comentário, rsrs. Fiquei até feliz. Rsrs Respeito seu jeito “Marcia Goldsmith” e acho que é sua marca principal. Obrigado por também me ajudar a lidar com isso, mesmo com seu jeito “carinhoso” de ser. Rsrsrs Mas realmente, você me ajudou e me ajuda muito.
Grande Mutante, impressionante como seus comentários me impressionam. Você tem uma visão certeira (mesmo com todos os medos dessa palavra – não gosto das classificações “certo” e “errado”). Não encontro outra palavra melhor pra descrever sua frase “medo pela quebra de IMORTALIDADE que TODOS julgam ter”. Excelente! O HIV vem na contramão disso e joga nossa mortalidade na nossa cara! Acho que daí vem toda essa valorização de coisas que antes não víamos ou considerávamos “pequenas".

Um abraço a todos!