sábado

Compromissos


Hoje fui novamente caminhar, mas dessa vez com uma amiga. Ela não tem muito fôlego, então parou no meio da praça e ficou sentada enquanto eu dava voltas. Dessa vez foi ao som de Elza Soares, cd Vivo Feliz. Esse álbum é muito gostoso pois faz um verdadeiro mix de som. Aliás a Elza é boa em qualquer ocasião.
Não tenho conseguido sentar para estudar e meu prazo com minha orientadora está se esgotando. Toda vez que sento pra ler sobre meu tema, decido ler sobre HIV e faço isso. Tenho tido uma sede de conhecimento sobre a temática que se mostra insaciável. Continuo sem fumar e sem beber. Tenho evitado lugares para beber. Mas é realmente difícil... esse bairro é muito boêmio e um convite aos prazeres carnais e a embriaguez. 

Não consigo retirar de minha cabeça a frase de Dra. Leblon explicando a necessidade de tomar a medicação. Estou ansioso para chegar o dia da consulta. Quero explicar pra ela que tenho certeza absoluta que minha infecção é recente, afinal sei exatamente dos riscos que tive e das vezes que ocorreram. Se eu soubesse desse  final...enfim. Não entra na minha cabeça o fato de ter que começar essa medicação... ou melhor, não sai.

Percebo que está realmente na hora de começar uma psicoterapia em função da minha instabilidade de humor, e farei isso na segunda. Não tenho tido paciência para minhas atividades normais, embora esteja cumprindo quase todas. Aliás, desde o dia da descoberta eu tenho cumprido. Lembro-me que descobri o resultado numa segunda-feira e na quinta-feira da mesma semana tive uma importante reunião de trabalho com representantes de todo o Estado. Essa reunião foi terrível... não consegui falar muito e o ápice dessa reunião foi a descrição de um caso de HIV. Nossa... nunca, em nenhuma reunião havíamos falado no assunto, justamente nesse a temática foi levantada. Inevitavelmente chorei, de forma bem disfarçada e com óculos escuros (sempre! Aliás, quem não tem colírio...). No final da reunião a condutora da mesma veio até mim e perguntou se eu estava bem, pois me via muito abatido. Respondi que estava passando por alguns problemas mas que seriam resolvidos.

Vou me empenhar mais nos meus estudos. Pretendo conseguir terminar essa etapa importante de minha carreira profissional. As vezes fico com medo de não dar conta, mas já passei por 70% do curso, não dá pra desisti, né?! Já pensei em contar pra minha orientadora, achando que assim ela poderia me dar mais um mês. Mas também penso que não devo prolongar meus problemas. Depois de olhar pra realidade (sem maconha, sem álcool e sem cigarro ou qualquer outra fuga) acho que é hora de resgatar minha vida e dar a volta por cima.  



5 comentários:

Anônimo disse...

Amiga diz:

é a melhor atitude que vc pode tomar hj e a mais positiva.

Ninguém por aí disse...

Gata, positivo não é a melhor palavre nesse blog. rsrsrs

Ninguém por aí disse...

brincadeirinha.

Anônimo disse...

rsss... To vendo as cores chegarem a esse blog... Fico feliz por isso....

Amigo disse...

Essa música passou a ter um significado impar em minha vida e certamente terá na sua. Quanto ao curso, também acho que não deve pedir mais prazo, isso só vai prolongar as coisas. Somos utilitaristas, tentamos minimizar o sofrimento, quando a corda apertar o texto sai. Só recomendo que leia um pouco mais, pois isso auxilia na produção.