terça-feira

"Há uma suspeita de hiv"

Vou tentar resumir um pouco o motivo da criação desse blog. Sempre fiz teste de HIV, e sempre me cuidei. O preservativo foi e ainda (agora mais do que antes) é algo essencial na minha vida. Muitas vezes aconteceram acidentes que me fizeram sentir como se estivesse sido contaminado pelo vírus... camisinha estourar, ocorrer sangramento na hora h. Nesses momentos sempre ligava para Pablo, pois ele sempre me entendeu, por também passar por situações semelhantes. As vezes culpava esses comportamentos associando os mesmos ao fato de eu ser homem e gostar de outros homens. Sei que essa história de HIV e homossexualidade já deu o que tinha que dar, e sei de todo aquele blá-blá-blá politicamente correto – AIDS não é coisa de homossexual mas de desprevenidos. Pois bem, foi no mês de abril... numa tarde de segunda-feira. Após esperar por alguns dias o resultado do HIV, fiquei tenso pois estava atrasado. Na tentativa de me acalmar, pensava nas inúmeras vezes que os resultados atrasaram e sempre quando buscava lia “Não Reagente”. Nossa, sempre foi um alívio ler isso. Parecia que toda a culpa da carne estava perdoada, sem nenhuma penitência a ser paga a não ser intensificar o cuidado e me prevenir cada vez mais dalí pra frente.
Pois bem, esse abril de 2011 foi diferente. Recebo a ligação do médico (fiz num consultório particular)... “você precisa vir aqui e colher uma nova amostra pois faltou alguma sorologia!”.  Eu já sabia que no Brasil quando um resultado dá positivo o laboratório é obrigado a refazer o exame com uma nova amostra a fim de evitar resultados equivocados. Essa ligação me deixou louco. Pablo me liga nesse momento. Num desespero contei pra Pablo o que estava acontecendo. Esse talvez tenha sido meu maior acerto dos últimos tempos. Imediatamente peguei o metrô e fui até o médico. Ele estava saindo de seu consultório quando agarrou meu braço e falou ainda na rua: “Há uma suspeita de HIV, mas pode ficar tranqüilo que você pode jogar bola e viver feliz". Se eu tivesse uma bola naquele momento jogaria na cabeça dele. Além de despreparado era cego. Saí de perto do médico e fui ao laboratório fazer o novo exame. Enquanto esperava a técnica de enfermagem me chamar, lágrimas escorriam dos meus olhos e um desespero e incertezas adentraram meu ser. Estava sozinho na sala de espera quando ela me chama para o exame. Saí de lá com a certeza de que estava infectado e fui para a praça. Lágrimas e cigarros. Sem saber o que fazer, pra quem ligar, se iria contar pra alguém, pra quem... no meio do caminho de volta pra casa desnorteado desço num shopping. Dou uma volta com a intenção de comprar  óculos escuro, como se ele fosse capaz de resolver todos meus problemas disfarçando meu olho choroso.
Uma semana depois os resultados das duas amostras:

            AMOSTRA REAGENTE PARA HIV I


5 comentários:

Amigo disse...

Espero que Pablo tenha acesso aos seus textos, pois ele certamente se emocionaria ao ler, assim como eu. Só uma perguntinha, é você na foto gato?

Candy disse...

Você escreve de maneira simples, objetiva e emocionante. Assim se torna muito bom ler o que você escreve e mais emocionante ainda participar da sua vida. Saiba que ganhou um leitor fixo e que pode contar comigo. :)

Anônimo disse...

Meu amigo

Li a sua historia simples e me emocionei com a sua coragem.
O que posso lhe dizer é que nao desanime, voce tem muita garra e, por isso, vai conseguir ultrapassar o lado mau deste flagelo que, infelizmente, o unico lado bom que tem é percebermos que ainda ha gente nobre como voce.
Um abraco de Mocambique.

Homossexual e Pai disse...

Não passei por isto, e não consigo imaginar o que passou, tenho até alguns amigos que passaram por isto, mas imagino que cada um tem que achar a sua maneira de passar por, isto. Alguns deles até procurando alguns grupos de ajuda como o GIV o GAPA, mas vejo que ultimamente vc tem procurando algum contato com "o divino" e isto pode ser importante tb. abs e força!

Alguém Por Aí disse...

Obrigado pelo comentário! Hoje, certamente, estou mais fortalecido. Abs